10 de junho de 2009

A LUÍS VAZ...




Que fizeste tu, ó Luís Vaz?...

De um poema de grandeza
A miséria de um povo geraste.
De uma grã vontade
Icarizaste um país que se afoga
Num mar de alheias vontades.
Não te bastou naufragares?...

Queimasse-te o sol a meninge,
Fosses tu privado de membros
Ou de ambas as vistas,
E outros não menos talentosos
A glória teriam dado
Em vez da orgulhosa ruína
De que Portugal é hoje feita.


Que fizeste tu, ó Luís Vaz?

Não te bastavam galanteios
Em eloquentes Sonetos
Cortejando nobres Damas
E, nos becos..., esbeltos donzéis?
Audaz cobiça em ser grande!
Feriste de luxúria,
Minaste de paixão
O coração de um jovem rei,
Príncipe demente
De sonhos e quimeras sem instinto!

Mataste um Império!
Foste esquecido.
Foste relembrado por essa corja
Da qual Portugal é hoje feito
Que enchendo o peito às novas gentes,
Que em vão jeito te sublimaram,
Em sonhos de grandeza,
O refeito Império deixaram matar.


Que fizeste tu, LUÍS VAZ!!!!

Entregaste-nos aos grilhões da Europa
- Madrasta sem amor
Compaixão e misericórdia -
Qual inimigo da pátria lusa
Que por Camões hoje,
SÓ PORTUGAL SE FESTEJA!
(Ouviste! Só Portugal...)
O Portugal atormentado
Sem eira, nem beira!

Vil, Célere, Facínora!
És o anti-herói que a cega gente
Não distingue nem discerne,
E se alva em mais valia!
Por bem que vais de retirada,
Ficam-se os galanteios
E de ti o tal nobre canto
Que tanta má influência
A tantos, e inocente gente, suscitou:
Morras!

Vai!


Sem comentários:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails