1 de dezembro de 2008

A NOITE DA RESTAURAÇÃO




É quase meia-noite!

Não há muitos anos, esta era também uma das maiores noites do ano. Passados 368, a alegria desta festividade parece injustamente esquecida ou adormecida!

Cerca de 346 anos depois, o pequeno rapaz, vivenciou por alguns anos a manifestação popular do orgulho patriótico luso, que hoje ou desapareceu ou está ausente das pessoas! Existia o gosto em ser português. Existia o gosto em sermos, um povo valente que passou a vida em gloriosas escaramuças com os espanhóis, das quais Portugal era sempre o vitorioso! Isto dizia-se e ensinava-se na escola. Hoje não sei! É só futebol... Futebol, Mini's, Daniela Cicarelli e Cristiano Ronaldo!

Após o jantar, as pessoas não íam dormir. Esperavam ansiosamente a Banda de música vir alvorar com seus instrumentos, por volta da meia-noite, o patriótico Hino da Restauração. Mal se sentiam as toadas musicais, a família vinha á porta ver a Banda passar, e fechando-a, lá a seguiam felizes e contentes, passeando pelas ruas acompanhando e cantando: lá, lá, lá, lá... Era assim em todas as ruas, em todas as casas e em todas as famílias. Enquanto a Banda, com a população atrás, dava "a volta" da procissão!


Era algo semelhante a isto.
A mesma musica, a mesma sonoridade, a mesma disponibilidade e alegrias contagiantes


Memorável foi uma véspera de 1º de Dezembro em que o "Macaco" – alcunha masculina – causou espanto em toda a população. Ouvindo a Banda tocar, já deitado, corre à porta em ceroulas onde fica especado. De ceroulas e com o boné do dia a dia na cabeça – único elemento que o cobria da vergonha, da sua quase nudez (apesar de vestido da cabeça aos pés). Para ele era como estar vestido, para os outros regozijo exacerbado, expresso em sonoras gargalhadas. Assim sentia-se invulnerável, podendo ver a Banda passar, para os outros era a história: “ O Rei vai nu”. A toda esta panóplia juntam-se os gritos da sua alvoraçada mulher, que de dentro o chamava com a caricata austeridade popular, enquanto, este, louco que nem uma criança, esboçava sorrisos de autêntica e genuína felicidade, por ver a banda passar! Durante anos não se falou noutra coisa!


Ceroulas ou Ciroilas


(Com brasão real, para dignificar aqui o homem

que orgulhosamente assistiu de ciroilas ao 1º Dezembro.

Os outros também as tinham, é certo. Mas debaixo das calças!)


Por fim, na Casa da Musica, como aqui chamavam à Sede da Sociedade Filarmónica, os músicos tocando entretinham as pessoas, até à debanda. As pessoas dançavam, ao som das marchas – pois não se ouvia outra coisa – e os homens encostavam-se ao balcão do bar, bebendo copos de vinho. Vinho tinto, por excelência! As crianças, como o pequeno rapaz, viviam e bebiam destas estranhas formas culturais aos olhos dos dias de hoje!


Hoje já nada disto existe. A noite de 1º Dezembro de 2008 permanece fria e silenciosa!


Amanhã ouviremos, no evento assinado pela Sociedade Histórica da Independência de Portugal, os habituais discursos e as justas homenagens – acção criada em 1861 por Alexandre Herculano, para perpetuar na memória portuguesa o nobre feito dos 40 restauradores. Escutar-se-ão A Portuguesa, republicana, e o Hino da Restauração junto ao monumento evocativo na praça dos restauradores. E assim será oficialmente mais um 1º Dezembro.

Esperem... Afinal já passa da meia-noite... Viva o 1º de Dezembro!






Sem comentários:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails